Proposta Pedagógica

A Escola Aitiara fundamenta-se nos princípios da pedagogia Waldorf, um impulso pedagógico desenvolvido por Rudolf Steiner - filósofo austríaco fundador da Antroposofia - que hoje serve de base para centenas de escolas espalhadas por todos os continentes.

Esta pedagogia tem como meta desenvolver o ser humano da forma mais ampla possível, dando possibilidades para que seu pensar, sentir e agir amadureçam de forma equilibrada e completa. E não é só através do ensino das matérias curriculares tradicionais que se busca atingir estes objetivos, mas também por meio das atividades artísticas, dos trabalhos práticos e do ritmo das comemorações.

Os professores da Escola Aitiara, enquanto professores Waldorf, realizam tarefas e se propõem desafios diferentes de outros professores. Para eles, a ligação com seus alunos não é casual, mas sim permeada de uma significação ampla e profunda, na qual estão presentes forças espirituais. A responsabilidade que cada professor sente por seu aluno, e por aquilo que ele vivencia e aprende, estende-se à escola como um todo, e esta é percebida pelo corpo docente como uma verdadeira comunidade na qual desabrocham as qualidades de muitos seres humanos.

Os professores trabalham verdadeiramente em conjunto - isso resulta, na prática, em reuniões semanais onde a meta e o trabalho são comuns. A tônica desses encontros é a troca e o compartilhar. Esse trabalho em conjunto brilha nas festas semestrais em que toda a escola se apresenta e em todas as comemorações que enriquecem com muito significado o ano escolar dos alunos.
Educação Infantil
Na idade pré-escolar (primeiro setênio), a criança vive uma fase de experimentação da bondade do mundo onde o aprendizado se realiza através da imitação. O ideal seria que, nesta idade, a criança estivesse com seus pais e irmãos no contexto familiar, convivendo com a natureza e com os afazeres normais de uma casa. Assim a escola, nesta fase, tenta aproximar-se desse contexto, trazendo para a sala de aula o ambiente da casa, com as suas atividades cotidianas e a variação de idades que ocorre dentro de uma família.

O papel do educador consiste em levar as crianças a aprenderem fazendo as coisas. Os alunos têm seus pequenos deveres (como arrumar a sala, regar as plantas, ajudar a preparar o lanche), que se alternam com outras atividades como pintura, modelagem, desenho, ouvir contos de fadas, brincar... A organização é construída pelo exemplo. Da solidez e do aconchego do Jardim de Infância nasce uma extraordinária segurança e confiança no mundo e em si mesmo, e a certeza de que o mundo é, antes de mais nada, BOM!
O intelecto e a memória, forças necessárias ao processo de aprendizagem, não devem ainda ser solicitadas. É preciso que primeiro o corpo físico dê o sinal de sua maturidade e solidez estrutural - e esta se manifesta principalmente com a troca dos dentes. É nesse momento que a criança está pronta para o contato com o aprendizado escolar.
Ensino Fundamental
No Ensino Fundamental, as matérias principais são lecionadas pelo professor de classe, que acompanha os alunos em seu desabrochar para o mundo ao longo dos anos escolares - do 1° ao 8°. Vale destacar que, tanto o professor de classe, quanto os professores de matéria (artes, música, línguas etc.) estão conscientes de que seus alunos são individualidades que trazem o futuro em si e que devem ser preparados de maneira que possam se tornar seres humanos livres, capazes de dar sentido às suas próprias vidas.

A partir do 1° Ano, a classe é composta por alunos da mesma faixa etária. A criança vai, ao longo de cada ano, experimentando sensações e tendo vivências ligadas principalmente à sua idade. Essa classe continuará junta ao longo de todo o Ensino Fundamental, e com ela seu professor de classe, adulto de referência dentro da escola para a criança. A vivência comum, as tarefas, o esforço coletivo desde o 1° até o último ano forjam uma grande família ao redor desse professor tão especial.
Quanto mais variada a composição, mais rico o aspecto. A convivência com a pluralidade é uma característica de uma sala de aula Waldorf. Nela, cada criança tem a chance de expressar-se e ser ela mesma e, ao mesmo tempo, vivenciar a riqueza e a beleza de poder ser diferente e fraterna.

O professor expõe a matéria com suas próprias palavras, os alunos fazem seus próprios livros com ilustrações e matérias dadas. A surpresa, a admiração, o prazer da descoberta, o planejamento, a improvisação, a ciência e a arte estão constantemente ligadas.

No 2° setênio (dos 7 aos 14 anos), a criança precisa sentir muito forte dentro de si que o mundo é belo - e vale a pena fazer parte dele. A autoridade natural é baseada no amor - mãos firmes mas carinhosas, liberdade que orienta. A criança faz o que o professor diz porque o ama e respeita profundamente. Ao final do segundo setênio, a criança começa lentamente a adentrar os mistérios e as possibilidades do 3° setênio (dos 14 aos 21 anos), em que o jovem se abre para a vivência de que o mundo é verdadeiro. A autoridade baseia-se cada vez mais nas qualidades pessoais (o aluno obedece o professor admirado e respeitado) e num crescendo de liberdade e responsabilidade.
Ensino Médio
Os jovens que concluem o ensino médio da Aitiara trilharam ao longo de doze anos de educação básica um caminho que lhes propiciou algumas ferramentas para viver, construir e reconhecer um mundo em que se conviva, dialogue e incorpore as diferenças; um mundo em que as pessoas confiem em si próprias e no mundo ao redor e em que se reconheçam forças de transformação e transmutação, sustentadas por uma sólida vivência espiritual. O ensino médio da Aitiara deseja cultivar em seus alunos a verdade, a responsabilidade e a liberdade, como caminho de construção da paz.

Nesse sentido, a sua intenção é formar jovens plenos, que possam escolher com crescente responsabilidade, autonomia e solidariedade, baseados na sua auto-avaliação e na avaliação de cada situação em suas vidas; pessoas que se sintam seguras, e livremente responsáveis, para trilhar o próprio caminho, com determinação, alegria e clareza de pensamento.
Em termos de trimembração do homem, são três as metas a serem alcançadas. O pensar, que também podemos chamar de dimensão cognitiva, lógica, sediada fundamentalmente no lado esquerdo do cérebro, é estimulado em todas as matérias, mas ancorado principalmente no conteúdo das ciências exatas, humanas e biológicas das matérias teóricas. O sentir, sediado no lado direito do cérebro, a dimensão imagética, está ancorado especialmente nas matérias de artes (música, artes aplicadas, trabalhos manuais, escultura, pintura, desenho, entre outras). Concorre para o desenvolvimento da individualidade do aluno, na aplicação desta individualidade em contextos eminentes. Por fim, a aplicação prática, a materialização de ideais, o querer, o fazer, ancorados de maneira mais visível em matérias que demandam movimento do corpo físico, como a educação física.